O LOBBY, seus Mitos e Verdades

1 06 2011

por Bruna Maturana

Qual é a primeira coisa que vem a sua cabeça quando você ouve a palavra “lobby”? Se a resposta for: políticos corruptos, dinheiro na cueca, propina ou corrupção, esse post é para você.

O fato é que a atividade de lobby é muito mal vista pelos brasileiros, o que pode ser relacionado a falta de esclarecimento e clara definição do que é exatamente esta atividade. Quero, neste post, trazer pontos que ajudem a esclarecer estes pontos “obscuros”.

Vamos começar pela origem da palavra: “Lobby” vem do inglês e significa antessala, hall ou salão. Eram nestes espaços que, segundo historiadores, os agricultores e comerciantes do século XIX ficavam, na tentativa de abordar os parlamentares e conversar sobre seus pleitos, coletivos ou individuais.

Leia o resto deste post »





Administração de Redes Sociais

13 04 2011

Por Lília Machado

Deparei-me recentemente com um perfil institucional de uma marca X no Facebook em que foi postado mais conteúdo – fotos e mensagens – de festas e da vida particular dos seus sócios, que do próprio produto oferecido pela marca.

Quem não entende de imagem institucional, achou um absurdo. Eu, como gestora de imagem, achei isto uma aberração, uma ofensa. Por isso decidi elaborar este artigo – visto que pouco encontrei sobre o prejuízo que a má administração de redes sociais pode causar à marca.

Leia o resto deste post »





Plástica na Imagem e na Reputação

4 04 2011

Plástica é simples! Entra-se num hospital; clínica, faz uns cortinhos aqui, coloca um silicone ali, põe cabelo, botox, pronto, sai de lá uma nova pessoa! Ou pelo menos alguém bem diferente da que entrou. Parece simples, se popularizou, e faz sucesso, quer goste ou não! Com a nossa imagem física é relativamente fácil fazer isto, mas e com a sua Imagem “Pública” ou sua reputação, dá pra fazer o mesmo?

Imagem é algo complicado de se construir, leva tempo, dedicação, MUITOS acertos e coerência. Unidade é outra palavra de ordem na construção de uma imagem que vai “gerar” a reputação. Uma boa reputação é muito útil no momento de uma crise ou de enfrentar um problema. É ela quem vai dar alguns “créditos” a mais para a organização por parte dos clientes/consumidores num momento como este.

maca_verde_vermelha

Leia o resto deste post »





A mesma notícia, várias versões!

12 11 2010

Na dica do final de semana de hoje, clássico da literatura inútil! 🙂

Serve para se divertir (e dar risada, principalmente para as pessoas do “mundinho” [da comunicação]), e serve também como régua para refletir sobre como estamos escrevendo nossos textos!

O autor eu desconheço, se alguém souber, por favor me conte! Segue a História da Chapeuzinho Vermelho segundo os mais diversos veículos de comunicação!

JORNAL NACIONAL
(william Bonner) “Boa Noite. Uma menina chegou a ser devorado por um lobo na noite de ontem…’.
(Fátima Bernardes): ‘… mas a atuação de um caçador evitou uma tragédia’.


PROGRAMA DA HEBE

(Hebe): ‘… que gracinha, gente. Vocês não vão acreditar, mas essa menina linda aqui foi retirada viva da barriga de um lobo, não é mesmo?’

CIDADE ALERTA

(Datena): ‘… onde é que a gente vai parar, cadê as autoridades? Cadê as autoridades? ! A menina ia para a casa da avozinha a pé! Não tem transporte público! Não tem transporte público! E foi devorada viva… Um lobo, um lobo safado. Põe na tela!! Porque eu falo mesmo, não tenho medo de lobo, não tenho medo de lobo, não.’

REVISTA VEJA

Lula sabia das intenções do lobo.

REVISTA CLÁUDIA

Como chegar à casa da vovozinha sem se deixar enganar pelos lobos no caminho.

REVISTA NOVA

Dez maneiras de levar um lobo à loucura na cama.

FOLHA DE S. PAULO

Legenda da foto: ‘Chapeuzinho, à direita, aperta a mão de seu salvador ‘.

Na matéria, box com um zoólogo explicando os hábitos alimentares dos lobos e um imenso infográfico mostrando como Chapeuzinho foi devorada e depois salva pelo lenhador.

O ESTADO DE S. PAULO

Lobo que devorou Chapeuzinho seria filiado ao PT.

O GLOBO

Petrobrás apóia ONG do lenhador ligado ao PT que matou um lobo pra salvar menor de idade carente.

ZERO HORA

Avó de Chapeuzinho nasceu no RS.

AGORA SP

Sangue e tragédia na casa da vovó

REVISTA CARAS
(Ensaio fotográfico com Chapeuzinho na semana seguinte)
Na banheira de hidromassagem, Chapeuzinho fala a CARAS: ‘Até ser devorada, eu não dava valor para muitas coisas da vida. Hoje sou outra pessoa’

PLAYBOY (
Ensaio fotográfico no mês seguinte) Veja o que só o lobo viu.

REVISTA ISTO É

Gravações revelam que lobo foi assessor de político influente.

G MAGAZINE
(Ensaio fotográfico com lenhador) Lenhador mostra o machado

SUPER INTERESSANTE

Lobo mau! mito ou verdade ?

DISCOVERY CHANNEL

Vamos determinar se é possível uma pessoa ser engolida viva e sobreviver

Bom final de semana para todos 🙂





RP até no nome!

25 10 2010

Estava aqui, olhando meus followers, amigos, conhecidos….. Me chamou a atenção que muitos usam um “rp” na composição de seus e-mails ou nomes do twitter, etc. Resolvi então iniciar uma empreitada para descobrir o pq! Será crise de identidade? rsrs

Mandei alguns e-mails, outras DMs, pra quem não me seguia, o pedido foi aberto mesmo, e muitas respostas interessantes começaram a aparecer. Tem pessoas que optaram por colocar o “rp” no nome para evitar serem confundidas com outros profissionais de comunicação, outros por simples falta de opção e a maioria, para se sentir ou reforçar que fazem parte de um grupo: Os Relações Públicas!

Abaixo eu transcrevi (ipsis literis) algumas das respostas que recebi, mais adiante continuo minha análise.

  • @jumenezesrp – Sensação de pertencimento de um grupo; orgulho..acho que é isso! rsrs ajudei?
  • @belle_rp Pq tudo já tinha e BelleSilva… nossa, tentei várias, mas tudo tinha… Então foi isso mesmo, melhor que 86 … hehe – Essa é a razão… Ou eu colocava “rp” ou teria q fugir do meu “nome/apelido” e como vc bem sabe, eu vivo na pele a emoção de “ser” rp… Logo preferi usar meu nome e o RP… Perfeito!
  • @marcelorp13 – Fala Pedro! Vc diz no nickname? Eu particularmente uso pq não suporto ser chamado de jornalista, marqueteiro. Daí de cara lembram q sou RP
  • @rp_maira Olha, eu quis usar o RP no “nome” do Twitter pra mostrar a minha futura profissão e para valorizá-la! =D
  • @gbarbosarp eu uso o canal twitter, exclusivamente, como uma extensão do meu networking profissional. então, por que usar a sigla “RP” no twitter?
    1 – o twitter não nos dá a chance de escolhermos um nick que de fato é o seu nome. então muitas das vezes temos que recorrer à algumas artemanhas como o underline, nomes abreviados, e algumas outras identidades.
    2 – então, para transparecer a minha identidade, eu uso a minha formação base RP.
  • @crisrpumesp – Então, criei esse e-mail logo q entrei na facul….como os meus sobrenomes são muuuiito comuns: Santos e Silva, era dificil conseguir fazer um e-mail com eles….hihihi. Como tinha (de estudar) e tenho muito orgulho de ser RP do curso (naquela época 5 estrelas) da Metodista, resolvi nomear a conta assim.

Como  podemos observar, os motivos são diversos. O que mais se destaca, porém, é o uso para valorização da profissão e “pertencimento” à um grupo. Acho este motivo nobre. Ao meu ver nossa classe, como é de conhecimento, sofre uma crise de identidade. Todos amamos a profissão mas apenas efetivamente tomamos a linha de frente em sua defesa quando saem coisas como o Fred em Passione ou o Professor da Facamp.

De qualquer forma, achei bem interessante fazer esta pesquisa com as pessoas acima e agradeço a todas pela participação. Você também usa “RP” no seu nome/nick? Conte-nos abaixo o pq! 🙂





Auditoria de Imagem: A Prática nas Agências de Comunicação

7 10 2010

Por Lívia dos Santos
Com participação de Pedro Prochno

Quando surgiu a oportunidade de escrever o primeiro post sobre auditoria de imagem, a ideia foi apresentar a atividade, seu objetivo, metodologia e principalmente desmistificar as comparações com o “clipping”. Por não ser muito difundida na área de comunicação, a auditoria de imagem, na prática, ainda é um tabu para muitos prestadores ou tomadores do serviço.

Por isso, eu e o Pedro realizamos uma pesquisa com algumas das principais agências de comunicação do País para saber como cada uma realiza a auditoria de imagem. Convidamos LVBA, Edelman, Comtexto, CDN, Burson-Marsteller e CDI. Desde já, agradecemos à LVBA, Edelman e a Comtexto pela colaboração e dedicação para nos ajudar com esse post!

Após colher as respostas, descobrimos mais do que esperávamos. Encontramos visões e entendimentos distintos sobre auditoria de imagem. Basicamente as respostas que recebemos dividiam-se em:

  1. Mensuração qualitativa do que é falado na imprensa
  2. Imagem/percepção de públicos sobre a organização

Qual está certa? Veremos!

Wilson da Costa Bueno, Diretor da Comtexto, comenta que a auditoria de imagem é feita a partir da análise da presença e imagem das organizações na mídia, levando em conta diversos aspectos, desde a proposta do relacionamento com a mídia, ações e estratégias, até a consolidação de indicadores. Para a Comtexto, a atividade é mais que a mensuração do espaço nos veículos, é vista como consultoria junto a cada cliente em específico, sem fórmulas prontas.

Por outro lado, a LVBA e a Edelman apresentaram que a auditoria de imagem é uma pesquisa realizada com diversos públicos estratégicos do cliente, para analisar em profundidade a imagem da organização junto à eles.

Segundo Gisele Lorenzetti, Sócia-Diretora da LVBA, a auditoria é realizada com vários públicos e a imprensa (inclusive análise do que é falado por ela) é um deles. É uma análise qualitativa sistemática em que é avaliado como a organização é entendida e apresentada. “Nessa análise consideramos vários aspectos: exposição de marca, presença de key messages, editoria, veículo, imagem (foto, por exemplo) e o que mais for importante na matéria publicada”, completa. A metodologia utilizada pela agência foi desenvolvida por eles próprios e chama-se Índice de Desempenho Institucional (IDI).

Ao ser questionada sobre a importância desta mensuração, Leticia Lyra, Vice Presidente da Edelman Brasil, afirma que ela é extremamente relevante pois norteia a estratégia de comunicação. É essa sondagem que dá a diretriz de como o programa de Relações Públicas deve ser conduzido pois, muitas vezes, o pensamos que é visto de uma maneira e é visto de outra.

Para amarrar os entendimentos procuramos a professora Ana Manssour que nos deu a perspectiva abrangente sobre a atividade. Para ela, a auditoria de imagem é uma espécie de top of mind, ou seja, qual a primeira empresa que lhe vem a cabeça ao falarmos de determinado nicho de mercado e quais os principais adjetivos que você aplica a ela. Juto com isto vem também o levantamento de como a empresa é retratada pelos veículos de comunicação.

Algo que foi unânime entre as agências é que todas oferecem o serviço desde o início de suas operações, e que ele é alinhado ao planejamento estratégico do cliente. Lorenzetti salienta que a auditoria de imagem é uma ferramenta imprescindível para avaliar, ao longo do tempo, o impacto que as ações de comunicação geraram e se houve mudança na percepção dos stakeholders.

Durante o trabalho de pesquisa descobrimos também que a Comtexto está trabalhando em uma nova proposta de auditoria de imagem em que será incluída a presença e imagem das organizações nas redes sociais. Além disto ela oferece um curso à distância sobre a atividade. Bueno também deixou escapar esta semana que está preparando um livro sobre o tema que deve sair em 2011.

Para se aprofundar ainda mais no assunto, convidamos vocês para participar do #paposnarede de hoje, quinta-feira, às 21h, via tinychat – http://tinychat.com/midiassociais. Lá eu e o Pedro apresentaremos mais dados sobre a sondagem que fizemos e poderemos, juntos, discutir o tema. 😉





@Folha_ombudsman e Twitter, um caso de amor e ódio!

22 09 2010

Em 4 de julho deste ano a Ombudsman da Folha de S. Paulo, Suzana Singer (no cargo desde 24/04/2010), publicou em sua coluna texto sob o título “A Folha errou; alegria no Twitter”. O texto tratava da “ira” que a Folha sofreu na rede social após publicar, por erro humano, anúncio do Hipermercado Extra lamentando a eliminação do Brasil na copa quando isto ainda não tinha acontecido.

O texto de Singer agride e ataca os usuários da rede. Chama os “tuiteiros” de “espírito de porco” e ainda deu a impressão de que a “fúria do anunciante”, materializado na figura de Abílio Diniz, “patriarca” do Grupo Pão de Açúcar e que respondeu ao erro do jornal pelo próprio Twitter, foi exagerada. (veja o post aqui).

No todo, o texto claramente quer minimizar a reação gerada na rede social. Pretende desqualificar as pessoas presentes ali e dizer que o erro foi bobinho, pequeno, “um tremendo tropeço. Mas só!”.

Domingo, dia 12 de setembro me deparei com o pássaro azul estampado na coluna de Singer novamente, desta vez sob o título “O Ataque dos Pássaros”. Lá fui eu ler o que ela tinha a dizer desta vez e, pra minha surpresa, a critica era direcionada à Folha justamente por ela não ter dado atenção ao que era dito no Twitter.

Acompanhe as palavras da própria Ombudsman:

“Não dá para desprezar essa reação e a Folha fez isso. Não respondeu aos internautas no Twitter e não noticiou o fenômeno. O “Cala Boca Galvão” durante a Copa virou notícia. No primeiro debate eleitoral on-line, feito por Folha/UOL em agosto, publicou-se com orgulho que o evento tinha sido um “trending topic”. Não dá para olhar para as redes sociais apenas quando interessa.
A Folha deveria retomar o equilíbrio na sua cobertura eleitoral e abrir espaço para vozes dissonantes. O apartidarismo -e não ter medo de crítica- sempre foram características preciosas deste jornal.

… Olha só que mudança!

Discurso completamente diferente do exposto na primeira coluna sobre o Twitter. Neste meio tempo Singer deve ter usado mais a ferramenta e aprendido sobre sua dinâmica e, com isto, adequado a sua visão sobre ela. Não dá mais para relevar a ferramenta que se tornou sim uma importante plataforma de comunicação. Errar é humano e também corporativo, mas arrumar o erro e revisar a sua orientação é digno de elogio. Ponto! Só resta agora a Folha manter o perfil defendido no grifo do texto! 😉

ATUALIZAÇÃO

Resposta de Suzana Singer ao post:

folha_ombudsman2:53pm via Web

@prochno Foi inteligente comparar as 2 colunas, mas não são contraditórias, só casos diferentes. Sempre respeitei o twitter, tanto q. entrei

Veja o twitt aqui!








%d blogueiros gostam disto: