5X Favela: Agora por Nós Mesmos!

17 09 2010

Final de semana, programinha a dois, cineminha….. Fila, atraso e sessão lotada! Ô programão! Na hora de comprar ingresso indago “E aí, o que vamos ver agora?”

A resposta, básica de qualquer mulher é: “Á, sei lá!”

Pelo “sei lá” propus: “Vamos ver 5X Favela? Escutei boas criticas sobre o filme, são 5 curtas feitos por comunidades do Rio d’janiero, parecem ser legais!”. Topado, #partiu!

O longa, produzido por Cacá Diegues e Renata de Almeida Magalhães, e composto por 5 curtas, foi premiado 7 vezes no festival de cinema de Paulínia, incluindo os de melhor filme pelos jurados E pelo público, além de ter sido muito aplaudido em Cannes. Trata-se de uma “continuação” do projeto Cinco Vezes Favela de 1962 onde cinco diretores, incluindo o próprio Diegues, subiram os morros para fazer curtas sobre as realidades locais. Desta vez a idéia foi dar às comunidades o papel de “autores” das histórias e suporte de coordenação da equipe de Diegues agregando assim ao nome original o “Agora por nós mesmos”.

Os roteiros foram criados em oficinas de diferentes comunidades do Rio onde participaram inclusive projetos como o Afroreggae e Nós do Morro. A direção também foi feita por cineastas que participaram destas oficinas, assim como atores e a produção.

O filme, que vem na onda de outros tantos nacionais que retratam realidades das comunidades cariocas, traz um enfoque diferente. Aborda a realidade, o dia-a-dia das comunidades, como vivem, o que pensam e fazem e como encaram problemas normais ao cotidiano de qualquer pessoa, independente de sua classe social. Problemas simples e fora da realidade de muitos dos espectadores também são abordados, claro, e nos fazem refletir sobre temas como responsabilidade, escolhas, ideais, valores e, principalmente, ética.

Este é o primeiro post “dica para o fim de semana” do relações. Se ainda não tem programa, veja o trailer do filme abaixo, leia os “resumos de cada história” e divirta-se. Segunda volte para contar o que achou :-).

Fonte de Renda: Maicon, morador de comunidade, entra na faculdade em direito. As diferenças aparecem quando o dinheiro para pagar os livros, materiais e transporte, começa a faltar. O conflito fica por parte do consumo de drogas pelos colegas, de classes altas e é aí que a trama se desenvolve.

Arroz com Feijão: O bê-á-bá de muitas famílias do país: Falta do que comer. Como é aniversário do Pai, Wesley resolve se juntar com um amigo para ganhar uns trocados e comprar um frango para o jantar do pai! O conflito de classes aqui é forte, o conflito com a ética também, mas é um dos meus favoritos!

Concerto para Violino: O mais violento dos curtas, Concerto para violino traz a realidade das guerras nos morros, a “integração” entre polícia e bandido para “bem comum” e resgate dos valores de cada um.

Deixa voar: Entre as próprias comunidades existem diferenças. O filme retrata como elas são trabalhadas e o que é capaz de motivar a “quebra” de conceitos existentes. No papel principal, uma pipa e uma paixão adolescente!

Acende a luz: É o mais divertido dos curtas. Aborda de forma despojada e direta como a falta de luz interfere na vida das pessoas. Mais, como é encarado este problema por quem é responsável por solucioná-lo. Traz valores fortes que caracterizam as comunidades do Rio.

Anúncios

Ações

Informação

One response

18 09 2010
Ivan Scarpelli

Não vi e não gostei.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: